Banco da Amazônia propõe paridade no custeio do plano de saúde

DATA: 21/12/2017


 

Durante a mesa permanente de negociação entre o Sindicato dos Bancários do Pará, Contraf-CUT e Fetec-CUT Centro Norte com o Banco da Amazônia ocorrida na quarta-feira (13), que tratou sobre plano de saúde, o banco afirmou que pretende custear 50% dos gastos com plano de saúde, conforme a resolução nº 9 do Conselho de Coordenação e Controle das Empresas Estatais – CCE.

Esse custeio paritário seria aplicado em todas as faixas de renda dos empregados, dentro dos limites de valor médio praticados no mercado por faixas etárias. Ainda de acordo com o banco, o valor de ressarcimento será com base na média dos preços de planos de saúde existentes no mercado. Para apresentar todas essas propostas, a instituição financeira estudou a participação dos bancos federais no custo de saúde.

Durante a reunião, o Banco da Amazônia também disse que tem interesse em discutir premissas com as entidades para construir uma proposta concreta sobre o novo modelo que pretende apresentar. Para isso, o banco também contratou uma consultoria em atuária para elaborar o modelo que se pretende chegar.

Atualmente o banco arca com 40% dos gastos de seus empregados com plano de saúde, a maioria ligada à CASF (70% do quadro de pessoal) no que diz respeito à consultas e procedimentos médicos de cirurgia e internação.

 

FALTAM DADOS PARA ANÁLISE

As entidades sindicais, por sua vez, reivindicaram que a proposta seja apresentada formalmente e com mais dados e subsídios para análise da mesma e cobraram um prazo para que isso ocorra.

O Banco da Amazônia afirmou que irá se empenhar para fazer a apresentação dos dados solicitados na mesa agendada para o dia 19 de dezembro, às 14 horas, e que debaterá o PCCS.

“Para qualquer posição das entidades sindicais sobre essa proposta do Banco da Amazônia é necessário tomarmos ciência de alguns números fundamentais sobre o custeio do plano de saúde aos empregados da ativa e aposentados. Precisamos pensar na saúde dos empregados de forma universal, valorizando a saúde da família e dando prioridade para a prevenção, e não na cura”, destaca o presidente do Sindicato dos Bancários do Pará, Gilmar Santos.

“O Banco da Amazônia é o único banco federal que não patrocina o plano de saúde de seus empregados. Para nós seria muito positiva a retomada do patrocínio da CASF. Cobramos urgência nas ações desse tema pois se passou um ano após as entidades solicitarem o debate dessa questão tão importante para os empregados. De toda forma, precisamos de mais elementos para uma análise mais precisa sobre essa proposta de custeio paritário do plano de saúde apresentada hoje pelo banco”, afirma o diretor da Fetec-CUT/CN e empregado do Banco da Amazônia, Sérgio Trindade.

Fonte: Bancários PA
Cliques na Notícia: 36

  CONVÊNIOS